terça-feira, 23 de agosto de 2016

Desaparecida, de Jairo Borges Filho

Na função, como já é tradição, de transformar interações ricas em redes sociais em documentos que podem ser posteriormente consultados e ainda por cima servirem de alguma coisa a outras pessoas, venho ao blog registrar parte de um diálogo que tive com o game designer Jairo Borges Filho (Jogos À La Carte, Indie Game PT)

No dia 20 de agosto, Jairo me marcou em uma postagem enigmática:
"Mente turbinada + tédio no trabalho = jogo novo saindo.
Essa é a fórmula para salvar uma manhã de sábado." 
"Aliás, a diretoria requisita o apoio de Luiz Falcão para levar esse projeto adiante."
Mais tarde, Jairo contou detalhes do projeto:
"Então... remexendo em algumas coisas que escrevi no ano passado, pensei em fazer um larp para três a seis pessoas. Elas estariam reunidas para juntar informações de uma "sétima pessoa" - uma jovem, que era amiga de quase todos ali presentes - que desapareceu misteriosamente. 
Um dos jogadores atuaria como um Investigador, buscando fatos e histórias que pudessem não apenas identificar mais a jovem (construí-la ingame), como também descobrir qual (ou quais) dos amigos ali reunidos teria envolvimento no sumiço dessa jovem. 
Como recursos de jogo, pensei em cartões de relação (distribuídos em segredo entre os amigos), que descrevem um evento passado de sua relação com a desaparecida (dando, também, o parecer do seu envolvimento no caso) e fotos de qualquer tipo (que seriam usadas pelos amigos para construir a narrativa)."

Ao que respondi: Excelente!

Tem várias coisas que eu curto aí:

1. Personagem ausente. Falar sobre "um outro" sempre dá um caldo. Às vezes acaba acontecendo mesmo em jogos que não prevêem essa dinâmica. Como proposta, a tendência é ser uma ferramenta poderosa. Estas Pessoas na Sala de Jantar (Eduardo Caetano) e Letícia Freire (Luiz Prado) são dois exemplos que me lembro agora que prevêem a construção de um personagem ausente através da relação entre os personagens dos jogadores. Seu jogo adiciona um mistério: o desaparecimento. Isso pode ser muito interessante!

2) Cartas de relação.
Elas adicionam estímulos durante o jogo e podem ou não aparecer. Além de ajudar no clima de incerteza, estimular a improvisação e tornar as coisas mais dinâmicas e imprevisíveis, elas são uma solução elegante para o paradigma de passar muita informação de uma vez só - o que às vezes pode tornar a imersão mais difícil ou, pelo menos, deixar parte desses estímulos para fora da experiência de jogo. Essas cartas podem ser sorteadas antes (para criação de personagens como em O Jogo do Bicho, do Boi Voador) ou durante o jogo, pegando os jogadores de surpresa e adicionando elementos narrativos bombásticos e plot twists (mais ou menos como acontece os refrões do Ouça no Volume Máximo).

3) Fotos. Eu tenho muita curiosidade sobre como lidar com estímulos não-verbais no design de experiências como larps. Chegamos a aventar a possibilidade para O Jogo do Bicho, mas acabou ficando para depois. Eu lembro de ter visto um jogo da Nina Runa Essendrop (uma das autoras do White Death) em que ela trabalhava com esses estímulos de maneira muito semelhante ao que eu gostaria de experimentar n'O Jogo do Bicho. O Prado também tinha um design antigo, nunca realizado, que explorava o recurso em alguma medida. Publicado, eu só consigo me lembrar do Jardim de Saudades, do Tig Vieira, que não sei se chegou a ser realizado, mas tem uma proposta muito poderosa envolvendo fotografias. Eu adoraria ver mais jogos explorando esse universo de possibilidades.
Laura Palmer, personagem adolescente de série televisiva Twin Peaks (Favid Lynch/Mark Frost) cuja descoberta do corpo assassinado dá origem à trama.

Se por um lado uma moça desaparecida me remete imediatamente a clássicos como Twin Peaks e a uma porção de Histórias tristes da vida real... Aquela história de representatividade me coloca uma pulga atrás da orelha: temos aí mais uma donzela em perigo? À luz dessa problematização, o jogo pode ser ainda mais interessante. Seja jogando com a ideia que não precisa mesmo ser uma mulher, seja explorando o topos narrativo - tanto na potência de explorá-lo, esmiuçá-lo, quanto de reinventá-lo ou problematizá-lo.

----
O que me deixa curioso sobre as possibilidades de design dessa experiência é o quanto dessa história será definida por você, autor, e o quanto ficará a cargo dos jogadores?

O papel do designer é oferecer estímulos e ferramentas aos jogadores. Pelo que você disse, consigo ter uma ideia das ferramentas oferecidas - ainda que não saiba exatamente como você vai trabalhar cada uma delas. Mas que tipo de estímulos você vai oferecer (cenário? ambientação? personagens? ou apenas a estrutura?) me deixa bastante curioso com o jogo.

O quanto você determinar e o quanto vai deixar aberto para os jogadores?

E se a opção for deixar mais aberto, que estímulos usar para provocar ou aguçar a criatividade dos participantes!?

---
Você já tem alguns aspectos mais desenvolvidos?

----
JAIRO: Por ora, não. Esse foi apenas um exercício descompromissado de uma manhã tediosa de chuva, no ambiente vazio de trabalho. Mas percebo que você pescou algumas idéias que tinha colocado de fato nesse rascunho (nem Twin Peaks escapou!)

Como designer, iria propôr apenas a estrutura do jogo, a princípio: a falta da moça, o papel dos amigos, as relações se construindo e o papel do Investigador, que pode (ou melhor, vai) instigar a participação dos envolvidos.

Mas devo admitir que fiquei intrigado com suas palavras, sobre como poderia delimitar um pouco mais esse cenário...

----
FALCÃO: Eu comecei a trabalhar num larp também, baseado em uma obra literária. Essa questão do quanto determinar via design e do quanto deixar na mão dos players está me pegando.

Se abro demais, deixa de ter conexão com os elementos que me instigaram a trabalhar com o tema. 

Se fecho muito, transformo numa reencenação - o que por si só poderia até não ser um problema. Mas no caso específico poderia colocar umA jogadorA em maus lençóis - literalmente e psicologicamente falando.


----
JAIRO: De fato, é o desafio da criação.

Algumas idéias do projeto que coloquei acima surgiram de leituras recentes, como Archipelago e um hack dele desenvolvido pelo Jason Morningstar, The Last Train Out of Warsaw. Inclusive, é engraçado notar como o primeiro permite tanto a criação coletiva, enquanto que o segundo já direciona a história (a colocando "sobre trilhos", em todos os sentidos!) para um fim inevitável. E ambos usam a mesma lógica.

Enfim, vou ver se consigo providenciar uma versão apresentável desse projetinho (afinal, em termos de descrição, ele vai ficar pequeno) para compartilhar contigo (e com outros interessados, claro) em breve. ^^

---
FALCÃO: Archipelago e The Last Train Out of Warsaw são jogos poderosíssimos.

Inclusive Archipelago é do Matthijs Holter, mesmo autor do Good Night Darlings e tantos outros jogos que admiro horrores.

Já o Jason... bom... ele é americano, heheheh. Brincadeira. Mas não. É claro que a "escola" de cada um influencia de alguma maneira os jogos que eles fazem - o que não é um comentário sobre um jogo ser melhor que outro. Longe disso.

Encontrar "com quais jogos meu jogo se relaciona" é um bom caminho para ter segurança de fazer definições para nossos próprios jogos. Talvez seja um caminho bom para eu refletir sobre o caminho a seguir com esse meu larp.

---

Ainda naquele dia, Jairo postou uma imagem do larp em desenvolvimento!

"E o processo de produção segue a todo vapor! Em breve, teremos o primeiro larp publicado pelo selo Jogos à Lá Carte!" - J B Filho

Jairo Borges Filho com uma de suas criações, o jogo Insetopia (inspirado pela obra Metamorfose, de Franz Kafka)
Conheci o Jairo Borges Filho em 2013, no primeiro LabJogos, em Belo Horizonte. Na ocasião, ele me interpelou durante uma palestra dizendo que tinha escrito um trabalho acadêmico para a faculdade de psicologia sobre a tomada de papéis (tradução comum na psico para Roleplay) e o desenvolvimento de personagens em jogos de rpg.

Naquele ano também, acredito eu, Jairo teve o primeiro contato com o tipo de larp com o qual estou envolvido (que não é tão parecido assim com os live-actions de Vampiro: A Mácara, que grande parte dos participantes do evento acreditavam ser o nosso negócio), por meio das atividades que eu eu o Luiz Prado levamos para o evento.

Em 2014, ele acompanhou novamente nossas atividades no LabJogos, tendo participado do larp Álcool, do Luiz Prado e acompanhado a aplicação de White Death / Morte Branca pelo grupo Boi Voador.

Jairo Borges Filho é homem a frente do Jogos À La Carte, selo pelo qual publicou jogos como Insetopia e Postmortem. Figura conhecida da cena independente de desenvolvimento de jogos narrativos e rpgs, Jairo mantém também o site Indie Game PT, que resenha jogos analógicos - rpgs e semelhantes - disponíveis em português, em sua maioria criados no Brasil.

Desaparecida será seu primeiro larp.

/////// UPDATE: Pouco tempo depois dessa postagem, Jairo publicou a primeira versão jogável do larp. Segue abaixo:



----
a discussão começou neste post do facebook e contou também com comentário do também designer de jogos Eduardo Caetano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário